"Os bons ideais aproximam as pessoas que olham o mundo não apenas para si, mas para todos"Rivaldo R. Ribeiro

30 de maio de 2011

Latifundiários, ruralistas, madeireiros e seus pistoleiros contra a vida

Vinte dias antes de serem mortos a tiros, os líderes extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo tinham enviado um documento ao Ministério Público Federal de Marabá denunciando o envolvimento de três madeireiras da região de Nova Ipixuna, no Pará, em crimes ambientais. O casal foi assassinado a tiros no interior do Assentamento Extrativista, Praia Alta Piranheira, no município de Nova Ipixuna, sudeste do Pará, no último dia 24 de maio. Segundo informações da Comissão Pastoral da Terra (CPT) de Marabá (PA), José Cláudio e Maria do Espírito Santo se dirigiam de moto para a sede do município, localizada a 45 km. Conforme diz a nota da CPT. “ao passarem por uma ponte, foram alvejados com vários tiros de escopeta e revólver calibre 38, disparados por dois pistoleiros que se encontravam de tocaia dentro do mato na cabeceira da ponte. Os dois ambientalistas morreram no local. Os pistoleiros cortaram uma das orelhas de José Cláudio e levaram como prova do crime”.

Isto é uma barbaridade praticada por quem só pensa no dinheiro e não dá valor a vida das pessoas e do meio ambiente. E o pior é que os mandantes do crime tem muitos e bons pistoleiros para atacar a vida. Sabemos que José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo foram assassinados por pistoleiros de madeireiras. Mas, é uma cadeia de exploração, ambição, violência e morte, onde se integram latifundiários, ruralistas e madeireiros, com seus hábeis pistoleiros, que também usam armas sofisticadas para destruir vidas. Por triste e irônica coincidência, no mesmo dia em que os pistoleiros agiram na base, assassinando militantes socioambinetais extrativistas, outros pistoleiros, outrora chamados de picaretas, também atuaram contra a vida no Congresso Nacional. Em Brasília na Câmara Federal, os deputados pistoleiros, a mando de latifundiários, ruralistas e madeireiros atiram fogo contra o Código Florestal, tentando assassinar o meio ambiente e a lei que o protege.

Temos uma prova concreta de que existe uma íntima relação entre os pistoleiros do Pará e os de Brasília. No momento em que foi dado a notícia do assassinato de José Cláudio e Maria do Espírito Santo, defensores do meio ambiente, os pistoleiros de plantão em Brasília, para detonar o Código Florestal, simplesmente entonaram uma vaia, como se o acontecido e as vítimas fossem insignificantes. Talvez os pistoleiros do Pará sejam presos, mas os mandantes do crime, infelizmente, poderão ficar livres para continuarem suas atrocidades. E os pistoleiros de Brasília, com seus colarinhos brancos e mãos limpas, como as de Pôncio Pilatos, naturalmente ficarão protegidos pelo verde das notas de dólar e pelas onças das notas de real. No entanto, temos a chance de puní-los pelo nosso voto. Oxalá Brasil.



Pilato Pereira - Pastoral da Ecologia RS

pilatopereira@gmail.com

http://www.olharecologico.blogspot.com/
 
Postar um comentário